segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Núcleo Recreativo avança no sub 17



Organizado pela Liga de Futebol de Cataguases e sob a “batuta do maestro” Marco Aurélio Ayupe, a categoria sub 17 do Núcleo Recreativo de São João Nepomuceno caminha em busca de mais um título.

Na manhã deste domingo(25), o representante de São João recebeu para o jogo de volta(na primeira partida em Cataguases, empate em 1 em gol) a excelente equipe do Taquara Preta da cidade de Cataguases.

Logo aos 4 minutos de jogo, o excelente atacante Derick escorou de cabeça, no segundo pau, uma ótima cobrança de escanteio realizada por Emerson, um meia atacante de rara habilidade e visão de jogo.
Parecia que o Núcleo abriria uma boa vantagem na primeira etapa, visto que, o time criava inúmeras chances que não foram convertidas em gol. Muitas vezes por displicência dos atacantes, o que deixou o técnico Ayupe bastante chateado a ponto de desabafar: “ Nós treinamos finalizações a exaustão. Essa bola que sobra quicando na entrada da área, eu canso de rolar para eles. Chega na hora do jogo chuta pra fora...”

Depois de tantas chances desperdiçadas, o primeiro tempo terminou com a vitória do Núcleo pelo placar mínimo.

Veio o segundo tempo e a equipe de Cataguases comandada pelo técnico Guilherme Roberto acordou na partida.
Mesmo com o Núcleo muito perigoso nos contra ataques o Taquara Preta partiu pra cima. O técnico promoveu a substituição de três jogadores o que deu novo ânimo a equipe que poderia até ter empatado o jogo. Mas aos 32 minutos, novamente, brilhou a estrela do artilheiro Derick.  Depois de ótima jogada do excelente atacante Matheus”cavaco” que entrou driblando pela direita, foi no fundo, e chutou cruzado.
Veja as fotos com a sequência do lance.
                                                             Clique na foto para ampliar.
Em seguida, aos 34 minutos, Derick aproveitou novo cruzamento da direita e de “cuca legal” deu números finais a partida. Núcleo 3x0 Taquara Preta.


DESTAQUE: em tempos de treinadores sendo expulsos por reclamar da arbitragem, ontem, Ayupe deu um show de espírito esportivo, educação e respeito com o auxiliar que trabalhou na faixa bem próximo ao técnico do Núcleo Recreativo. O equívoco aconteceu quando após uma cobrança de tiro de meta o atacante Derick partiu em direção a área adversária para mais uma tentativa de estufar as redes adversária. O Auxiliar Luciano Polidoro Souza não observou que a bola partiu de um tiro de meta e levantou a bandeira. O árbitro Jairo Carlos Ferreira deixou o lance seguir, mas a defesa parou e o atacante finalizou sem capricho após ver a marcação pelo auxiliar. Imediatamente o árbitro perguntou-o o que ele havia marcado e os jogadores começaram a reclamar. Foi nesta hora que entrou a figura do Ayupe: “Ele não viu que foi tiro de meta! Isso acontece. Errar é humano. “Vamo” jogar...” Em seguida, Luciano passou perto do banco de reservas onde estava o Ayupe e pediu desculpas ao técnico: “Você me desculpe mais eu errei. Não vi que foi tiro de meta...”
Atitude bacana. Parabéns, também, para o auxiliar Luciano Polidoro que reconheceu seu erro.


Abraço a todos e até a próxima se Deus quiser!



quinta-feira, 15 de agosto de 2013

JOSÉ MARIA GOMES DA SILVA



Nesta publicação do Blog do Nei Medina, prestaremos uma justa homenagem a José Maria Silva que, no início dos anos 80, começou seu importante trabalho de descoberta de talentos no futebol de São João.
Antes de se tornar um técnico vitorioso com categorias de base em São João Nepomuceno(assunto que trataremos mais à frente), José Maria treinou outras equipes.
Na foto, abaixo, (parece ser um time do Mangueira) de pé: Lucinho, Caio, Marquinho Louzada, Cabrita, Dola, Mário Verardo e José Maria. Agachados: Jorginho(J.San), +Silvinho Temponi, Mauro Verardo, Totonho Arruda e Zequinha(não identifiquei o massagista).

No início dos anos 70, José Maria morava em Bangu, Rio de Janeiro, e trabalhava em uma unidade do INSS. Nas horas de folga, treinava equipes do CREIB de Padre Miguel (Creib - Clube Recreativo Industriários de Bangu). Em 1979, levou a equipe Juvenil ao título. 
Retornando para São João Nepomuceno no final dos anos 70, José Maria juntou uma  garotada e formou um time com o nome de Nacional. Éramos jogadores remanescentes das categorias de base do Botafogo Futebol Clube que era comandada pelos incansáveis +Madéia e Totonho”maraca”. Depois vieram o Sr.Waldir e o José Teixeira.

Lembro-me bem, estávamos reunidos na entrada da galeria do Mangueira quando o J.Maria apareceu e, conversando com a garotada, sugeriu a formação de um time. O José Maria já era conhecido, pois, antes de seu retorno à nossa cidade ele trouxe alguns jogadores do Creib de Padre Miguel para reforçar o Operário Futebol Clube.
Em resumo: após o encontro, decidimos que o nome seria mesmo Nacional e jogaríamos com camisas brancas com mangas compridas, calções na cor azul e meias brancas, como mostra a foto abaixo.

De Barros, Léo Louzada, Sebastião Cabrita, +Fernando Penô, Kilin, Itamar do Jura, eu e José Maria.
Agachados: Natinho, Ninha Itaborahy, Waguinho Detoni, Geraldo Bengó, Periquito, Luis Sérgio Mendonça e o último não me recordo.

O time do Nacional fez tanto sucesso que os diretores do Botafogo Futebol Clube resolveram reativar sua categoria de base. Então, o José Maria foi convidado para o cargo de treinador tendo Luís Carlos”Cacau”Nogueira como Diretor de Futebol.
Treinávamos de terça a sexta-feira e jogávamos no sábado e no domingo. Como relutávamos em acabar com o time do Nacional, no sábado entrávamos em campo com o nome de Nacional e no domingo Botafogo. Raramente perdíamos uma partida, pois treinávamos muito. Quando a derrota acontecia, existia uma gozação dos adversários. Eles diziam o seguinte: quando eles ganham é o Botafogo e quando perde é o Nacional”.

Considerando que o José Maria revolucionou o futebol em São João criando diversos núcleos dentro das categorias de base do Botafogo, treinando mais de 100 garotos de todas as idades, a extinção do Nacional foi inevitável.

Logo no primeiro ano de trabalho do José Maria(1980), o resultado foi tão favorável que o então Presidente do Clube, o saudoso Sr.Ubi Teixeira, ao término de seu primeiro mandato disse a célebre frase: “eu só aceito a reeleição se acabarmos com o “futebol de adultos” e promovermos o nosso time de juniores para representar o Clube.”

E assim foi feito. Dispensaram os jogadores acima de 18 anos, e, a partir de 1981 nós do time de juniores começamos a vestir a respeitada camisa do Botafogo Futebol Clube. O Sr. Ubi tinha razão; começamos uma “turnê” pela zona da mata e continuamos honrando o nome do Botafogo vencendo a maioria dos jogos disputados. Jogamos em Rochedo, Bicas, Pequeri, Rio Pomba, Rio Novo, Guarani, Ubá, Cataguases, Mercês, Campestre, Silverania, Leopoldina, Santos Dumont...
Confirmando que estávamos no caminho certo, em maio de 1981, vencemos o torneio início do campeonato Municipal organizado pela Liga de São João Nepomuceno. Para nossa surpresa fomos impedidos de disputar o campeonato. Os clubes participantes alegaram que nosso elenco era, todo ele, menor de idade. Acredito que, na época, havia algum impedimento quando se tratava da idade dos atletas. O certo é que os adversários estavam pressentindo que poderíamos repetir o feito do torneio início...
Na foto que segue, a base do time que conquistou o torneio início.
De pé: José Maria, De Barros, Bezerra, Kilin, DP, Tulinha, eu e Cacau.
Agachados: Natinho, Marto banguelinha, Aírton calovit, Paçoca, Ninha Itaborahy e +Tabajara Martins.
Detalhe: O volante, titular absoluto, era o Márcio”manda brasa”Carrada (com muita honra, sempre fui seu reserva), mas com o  falecimento de sua avó tive a oportunidade de jogar. Mesmo assim, acredito que ele jogou a partida decisiva do torneio início.


José Maria também fez um ótimo trabalho no Operário Futebol Clube formando um excelente time com um elenco espetacular.


De pé: J.Maria, Robson Magalhães, Geraldinho, Ninha Itaborahy, Aílton Magalhães, Nabor, João Carlos, Jerônymo, Josemar, Pantera e João Ranna.
Agachados:  Fabinho Girardi, Neil Pereira, Mané Leandro, Aírton”artilheiro”calovit, Lió, Periquito, Adriano Rossi, Savinho e Lico



No futsal do Mangueira, também fez história.
Carlos, João Paulo, Léo, Coleta, Tony Navarro e J.Maria.
Agachados: Marquinho, Edwin, Edinho, Horerinho e Wanderson.



E, para finalizar, se transformou em um excelente “homem do rádio”. Na  Difusora foi apresentador de Programa Musical com grande audiência nas tardes de sábado. Também, apresentou o Programa de Esportes Bola no Ar, além de locutor e comentarista esportivo.
                                                                                                                       
Em linhas gerais, o saudoso José Maria foi um dos grandes treinadores e incentivadores do nosso futebol. Parabéns!
Abraço a todos e até a próxima se Deus quiser!