domingo, 28 de abril de 2013

E.C. Rochedo acaba com sonho alviverde.



Operário e Rochedo fizeram na manhã deste domingo(28) uma partida, tecnicamente, muito ruim. Até que tentaram, mas, as duas equipes foram incompetentes no quesito finalizações.
No vídeo, abaixo, você observará que, além dos dois gols,  houve poucos lances de finalizações.

Como para Operário só a vitória interessava, ele partiu com tudo pra cima do Rochedo, mas pecou nas finalizações. O Rochedo, por sua vez, fazia um amistoso de luxo.

Visivelmente, o alviverde Sãojoanense sentiu a ausência do artilheiro Ramon e do bom atacante João Batista.

Para confirmar que o jogo foi fraco de finalizações, no vídeo, abaixo, o primeiro lance de perigo foi no segundo tempo. Após cobrança de escanteio, Marcos escora de cabeça com a bola saindo a direita do goleiro Chiquinho do Operário. Em seguida o Verdão respondeu com Alif escorando para o chute de Torrada. A bola passou muito perto assustando o goleiro Vanderlei do Rochedo.
O lateral André bateu falta mas a bola cobriu a meta de Vanderlei. O gol do Operário aconteceu depois que Matheus Oliveira escorou uma bola para Alif que acertou um belo chute no ângulo direito do goleiro Vandelei. Operário 1x0.


A partir do gol alviverde o Rochedo aplicou uma verdadeira pressão para cima do Operário. Em falta cobrada pela direita, Mossoró entrou de peixinho com a bola passando a direita do goleiro Chiquinho. E nos descontos, aos 44 minutos, “no apagar das luzes”, após escanteio Canela aliviou o perigo mas a bola sobrou na cabeça do goleiro Vanderlei que reforçava o ataque do Rochedo. E com um passe perfeito, ele colocou a bola na linha da pequena área onde estava o meia Igor que soltou um balaço sem defesa para o goleiro Chiquinho do Operário. Final, Operário, fora da competição, 1 x 1 E.C.Rochedo de Minas.

Com boa atuação do árbitro Paulo César Santos, auxiliado por Bartolomeu Fofano e Onofre Megri o Operário jogou com Chiquinho; Tijão, Gustavo, Luciano e André; Tarcísio, Matheus Oliveira, Bruno(Marcos) e Torrada; Madruga e Alif(canela). Técnico: Willian Lima.

O Rochedo jogou com Vanderlei; Vitinho(Caio), Noel, Marcos e Matheus Peixe(Flávio Júnior); Jhonatan(Gustavo), Igor, Matheus(Emerson) e Mossoró; Matheus Pimentel e Átila. Técnico: Ícaro 
Danellon.
 Igor  autor do gol de empate do Rochedo

                                     Bartolomeu Fofano, Paulo Cesar Santos e Onofre Megri
 Alif autor do gol alviverde

Abraço a todos e até a próxima se Deus quiser!


sábado, 27 de abril de 2013

VARGINHA, O GRANDE CAMPEÃO!

Organizado pela Liga de Futebol de São João Nepomuceno-MG, o torneio que leva o nome de Geraldo Heleno Alves da Silva, o Leno, teve o representante de Descoberto como o grande campeão. O Varginha, campeão invicto, que venceu na semi final o Rio Novo pelo placar de 3x2, enfrentou o BJ que, também,  venceu a outra semi final derrotando o Louzada pelo elástico placar de 8x2.
Na grande decisão, prevaleceu o time mais regular da competição. Com 10 minutos da primeira etapa, o representante de Descoberto já vencia pelo placar de 3x0. Na foto abaixo, o 2º gol marcado pelo craque André.
André chuta cruzado e Caquinho só acompanha.

Veio a segunda etapa e o BJ partiu pra cima do Varginha. Mas a tarde era dos garotos de Descoberto, que, com categoria, souberam suportar a pressão exercida pelo ótimo time do BJ que sentiu a ausência de Webinho, entregue ao departamento médico após um possível rompimento de ligamento do tornozelo direito.
Aos 10 minutos da 2ª etapa, o BJ esboçou uma reação ao marcar seu gol de honra.
Roger dispara um balaço.

Final, Varginha campeão invicto 3 x 1 B J

Parabéns a todas as equipes participantes:  Art Sul, Falcões, Louzada, Red's, Varginha(campeão), AABB(Bicas), B J (vice), Galáticos, Makanudos e Rio Novo.
Parabéns a Liga de Futebol de São João, na pessoa de seu incansável presidente, que teve a feliz ideia em homenagear no nosso amigo Leno, que foi um ótimo jogador de futebol de campo e um excelente goleiro de futsal.

Abaixo, fotos da decisão.
Andre Luiz Dias Rossi e Michel Eduardo da Silva

Igor, artilheiro da competição com 10 gols.

Time do B J

Leno entrega troféu "goleiro menos vazado" ao Gelci (Gordo).

Giovani Trombini(Descobertonet),  Leno e Benetti Delegado do Jogo

Vereador Heraldo Gruppi entrega troféu de vice ao Roger

Liga de Futebol: Ronilson-presidente, Raimundo Afonso-representante e Luiz Fernando-tesoureiro

Abraço a todos e até a próxima se Deus quiser!




sexta-feira, 26 de abril de 2013

GERALDO RABELO, O GERALDINHO.



No Blog do Nei Medina, Geraldinho.
Ex-atacante, goleiro, tenista... Como goleiro, foi menos vazado na maioria dos campeonatos que disputou. Atualmente, como Gerente da Agência de Desenvolvimento de São João Nepomuceno, realiza ações importantes, sendo um dos principais fomentadores do desenvolvimento de nossa cidade.   

***Detalhe: clic nas fotos para ampliar.

1- Nome, filiação e naturalidade.
Nome: GERALDO MAGELA RABELLO
Filiação: Geraldo Antônio Rabello e Geraldina Costa Rabello
Naturalidade: Rochedo de Minas

2- Qual seu primeiro time, treinador e em que posição jogava?
Começamos nas categorias de base do Esporte Clube Rochedo, como ponta direita, treinado pelo Aélcio Gestal. Na verdade, tinha sorte em fazer gols, porém gostava de jogar no gol. Tinha um campinho de terra com umas mangueiras no meio em minha casa em Rochedo e no gol jogávamos palha de arroz para amortecer os pulos e treinávamos com amigos de escola (Sérgio Murilo e Gelson) todos os dias. Quando mudamos para São João, ainda atuávamos na equipe do Rochedo e criamos uma boa rivalidade com os amigos do Botafogo e sempre sonhamos em defender esta equipe por estar praticamente dentro de minha casa.

+José Maria, Josemar, Nando, Neil, João Carlos, Nabor, Geraldinho e Adriano Rossi.

(mascote ?), Felipe, Cacalo, Tide, Fabinho e Mané Leandro.


3- O que o levou a mudar de posição?  Fale sobre isso.
Na verdade, tinha pouca altura e as dificuldades em bolas altas eram evidentes, porém à medida que crescíamos passamos a treinar mais e com as práticas escolares de vôlei, basquete e futebol de salão (atualmente futsal) começamos a adquirir boas técnicas de gol.

4- Em quais clubes jogou e quantos títulos foram conquistados?
Jogamos pelo Botafogo, Operário, Rochedo, Mangueira, Guarani, Santa Cruz, Palmeirinha, União, Leopoldina de Bicas, Vesúvio de Maripá de Minas, Tibério de Guarani.

5- Quantos títulos de goleiro menos vazado?
Segundo o falecido Netinho Soares que era o executivo de nossa Liga de Futebol, sou o atleta com maior número de títulos regionais e municipais, porém a conta exata eu não tenho, mas pelos inúmeros troféus de goleiro menos vazado dá para se ver que foram mais de 20 títulos.

6- Hoje eu arrebentei! Qual partida, ou quais, você terminou com esta sensação?
É difícil falar qual partida, mas a primeira nunca esquecemos que foi um clássico diante do Operário debaixo de muita chuva, quando os dirigentes do Botafogo queriam adiar a partida pela equipe estar desfalcada dos dois goleiros principais, Eduardo Ayupe e Bezerrinha. O árbitro Luiz Quirino de Freitas, simplesmente disse aos dirigentes do Botafogo: “Agora já molhei os meus pés e quero que todos molhem também. Vamos para o jogo”. A partida terminou com a vitória do Botafogo por um a zero, gol de Periquito e a Rádio Difusora só teceu elogios às grandes defesas em chutes de Leleis, Savinho, Aloísio e Emilson e também pela grande atuação de nosso amigo Roberto Quintino. Foi a oportunidade que precisávamos, pois era o goleiro que mais estava treinando e agarramos com unhas e dentes.
            Outra partida memorável foi Botafogo 3 X 0 XV de Novembro de Rio Novo, que foi uma seqüência de quatro defesas bem ao estilo Rodolfo Rodrigues (goleiro uruguaio que defendia o Santos) que a arquibancada da Praça de Esportes Horácio Furtado de Mendonça ficou de pé para aplaudir.
            Tivemos uma final pelo Rochedo com a equipe de Chácara, mesclada com alguns jogadores do Tupi de Juiz de Fora, quando defendemos três penalidades, garantindo o título regional. Simplesmente na partida semifinal da equipe adversária, observamos todos os pênaltis cobrados contra o Sport Biquense e facilitou saber que repetiriam as cobranças nos mesmos cantos.



7- Antes das partidas, qual atacante tirava teu sono? Quais as qualidades deste adversário?
Sempre confiávamos muito em nossa regularidade no decorrer dos campeonatos, pois nos preparávamos muito fisicamente e mentalmente, o que fatalmente sempre faz a diferença. O Carlinhos de Santa Helena foi um dos poucos jogadores que me fez gols de falta e tinha uma época que acertava cada “pombo sem asa” que só via a bola dentro da rede. O Beto de Guarará era perigosíssimo em bolas altas, mas como tínhamos ótima impulsão já procurávamos nos precaver treinando os nossos zagueiros e também em antecipadas saídas de gol.

8- Entre os diversos clubes que defendeu, escale o melhor time.
É muito difícil escalar um time, pois consideramos que nunca ganhamos sozinhos nenhum campeonato, pois o futebol é equipe. Também tenho medo de esquecer ou de ser injusto com alguns amigos e espero que me compreendam.
Nas laterais, o Josemar Capeta para mim foi o melhor marcador, mas o Cesar de Mar de Espanha apoiava como ninguém, o Robson Magalhães e Debarros davam conta do recado, o Nico do Rochedo era ótimo e o Zerly muito habilidoso. Tivemos o privilégio de jogar com grandes zagueiros, mas o melhor sempre foi o Erick Itaborahy, pois sempre atendia os nossos comandos com perfeição, se colocava bem, embora tenha até quebrado o meu braço jogando do meu lado. Tivemos a satisfação de lançar o Nabor na zaga, a felicidade de jogar com o Jorginho do Rochedo, o Kibil que era muito violento, mas conosco procurava jogar na bola e compunha sempre bem uma zaga. O Zé Maurício e o Zuza sempre foram técnicos e antecipavam bem. O Ailton Magalhães tinha muita raça e procurávamos controlá-lo através de boa orientação. O Bengó era sensacional e impunha muito respeito e também não poderíamos esquecer-nos do Wilman (Tiziu) Itaborahy que nos deu muita força no início de carreira.
No meio-campo, destaco Hudson Junior (Ninha) Itaborahy como um dos mais perfeitos e técnicos cabeças de área que já jogamos, Márcio Carrada era excelente no desarme. Dário que jogou no Tupi sabia distribuir bem o jogo, Lió, Periquito, Sebastião Carlos (como ponta direita também) e Zeca desequilibravam. O vigor físico do João Carlos e Oswaldo do Rochedo sempre nos transmitia confiança.
Os atacantes que sempre quis jogar com eles foram o falecido Tico que tinha um talento fora de série, o Zé Luiz que sempre fazia gol e o nosso profissional Adil (Nica) que sempre foi um fora de série e desequilibrava partidas com facilidade. Admirei muito a garra do Airton e do Lico que era fator importante para uma equipe. O Kim em nossa equipe de juniores fazia gols de todas as maneiras.

Campeão do Torneio Devolde de Castro Medina - 1985.
Anísio, Geraldinho, Nabor, João Carlos, Ninha, Aílton e Adão.
Periquito, Lió, Robson, Fabinho e Aírton( o mascote é Deyverson Magalhães).

9- Do nosso futebol regional: um técnico, um diretor, um árbitro e um auxiliar de arbitragem.
Um técnico seria o José Maria Silva que com todos os seus defeitos sempre teve coragem de lutar contra dirigentes e confiar em nosso potencial. O Juarez e o Quinzinho eram muito amigos, assim como o nosso Deco, a quem temos muito respeito.
Como Diretores, gostaríamos de destacar o Sr. Odone Pavanelli e o Sr. João Rana, O Anísio Esteves era muito esforçado.
Como árbitro, seríamos injustos em não enaltecer Luiz Quirino que sempre foi destaque regional.

10- Um fato engraçado, ou curioso, de uma partida que tenha participado.
O esporte sempre nos trouxe muitas alegrias e temos tantos fatos que até poderíamos escrever um livro. Teve um jogo entre Rochedo e Leopoldina, que o árbitro Luiz Quirino entrou em campo com rabo de cavalo, que pensamos que quem apitaria a partida seria o cantor Elimar Santos, que fez a torcida local delirar. No intervalo, o árbitro mudou o visual, deixando os cabelos molhados e caídos e quando chegamos perto, perguntamos: Cauby Peixoto irá apitar o jogo? O árbitro nos respondeu: “Você verá quem irá apitar”. No finalzinho do jogo ele inventou um pênalti contra nossa equipe e tivemos a felicidade de defender duas cobranças seguidas, com o árbitro voltando as duas, uma alegando invasão de área e a outra que havia mexido na cobrança. Na terceira cobrança aconteceu o gol e pulei dentro do gol para pegar a bola, quando tomamos alguns cascudos dos adversários que queriam a bola para buscar o empate (o jogo foi 3 x 2 para o Rochedo). O árbitro pediu a bola e encerrou o jogo ainda dizendo para mim: “Pega outro, você não é muito bom? E bem feito pelos cascudos.” Após o jogo fomos tomar aquela tradicional cerveja e eis que aparece o Luiz Quirino entre nós. Eu disse brincando: Vamos dar veneno para o árbitro e ele imediatamente deu a resposta: “Lembre-se que a súmula do jogo está comigo aqui e eu ainda posso te expulsar”.  Na verdade, levamos tudo na brincadeira e comemoramos muito este fato histórico.

Dário, Edinho, Geraldinho, Kibil, Juarez e Kilin.
Garça, Candinho, Zé Luís, Adil e Rossi.

11- Em algum momento pensou em tentar a carreira de jogador profissional?
Tivemos alguns convites do América de Minas, do América do Rio e do Tupi de Juiz de Fora, porém sempre acreditei que precisava estudar e como trabalhava num emprego até certo ponto sólido, ficou difícil decidir pelo profissionalismo. E olha que os goleiros de seleção na época tinham minha altura, que era o Valdir Peres e o Paulo Sérgio. Atualmente os goleiros necessitam ter pelo menos um metro e noventa de altura.

12- Além do futebol também se destacou no Tênis. Fale-nos um pouco deste esporte, e quantos títulos conquistados.
Sempre utilizei o tênis para nos manter fisicamente e mentalmente bem. O tênis eliminou os treinamentos de goleiro através do jogo de pernas, o que sempre deu para conciliar os dois esportes. É um esporte difícil de aprender, que precisa de muita disciplina e determinação. Disputamos muitos torneios regionais de 2ª classe e conquistamos muitos troféus e premiações. Atualmente, estamos nos fortalecendo fisicamente, para agüentar segurar os golpes cada vez mais potentes dos jovens que praticam em nossa cidade e recentemente num torneio de duplas no Clube Trombeteiros, conseguimos importante conquista ao lado do sexagenário Jairo Nogueira, com direito a volta olímpica e tudo.
            Gostamos muito de praticar esportes. Fomos também os primeiros campeões da agora famosa e tradicional corrida da bananeira, ao lado de nosso amigo Dr. Helir Rodrigues que acontece no Ribeirão dos Henriques anualmente.

13- Muitos passes errados, péssimos cruzamentos e, em conseqüência, baixa qualidade técnica. Como você analisa o futebol jogado hoje? Será que, entre outras coisas, está faltando treinamentos? Principalmente dos fundamentos?
O futebol tornou-se mais contato físico, força física e velocidade nos contra-ataques. Treinamentos não faltam, pois acreditamos que até treinam demais. O problema está nas escolhas, na seleção de jogadores. São valorizados jogadores vinculados a empresários e os treinadores armam equipes com medo de perder o emprego e assim enchem o meio de campo de jogadores violentos valorizando a chamada “pegada”, procurando sempre anular aquele jogador que possui um talento maior. Também falta ética no esporte. O jogador escolhido é sempre o mais forte fisicamente, muitas vezes o famoso “gato” como aconteceu com o nosso Vanderlei Luxemburgo tempos atrás e olha que ele chegou até a ser treinador de seleção brasileira, ainda foi parar no Real Madri. Quando aparece um time como o Santos jogando bonito o dinheiro vem e dá um jeito de desmontar aquela equipe.
A Espanha foi campeã do mundo usando um fundamento principal no futebol que é o passe preciso, utilizando como base o conjunto do Barcelona.

14- Futebol, Cooperativismo, Copa do Mundo no Brasil, Política... Escolha um tema e deixe sua mensagem.  
O futebol é um esporte que envolve cooperativismo, parceria, trabalho em equipe, do qual participamos de uma pós-graduação. Não adianta querer ser mais estrela que ninguém. Você aparecerá naturalmente através do talento, que vem com o aperfeiçoamento, com dedicação aos treinamentos. Temos que suar muito para que os resultados aconteçam e pode até demorar. Em todas as equipes que participamos procuramos sempre unir o grupo. A famosa “panelinha” acontece sempre. É no esporte, nas empresas e principalmente na política. O que devemos é saber escolher em conviver com as melhores pessoas num ambiente que exige competição. Daí surge o lema que precisamos cooperar para competir melhor. É impossível ganhar sem saber perder, pois é das derrotas que alcançamos melhores resultados. Devemos sempre procurar fugir do elogio, mas tentar merecê-lo sempre.
            A Copa do Mundo no Brasil, assim como a Olimpíada é uma grande vitória para o nosso país, pois surgirão mais empregos e conseqüentemente elevará a renda. Precisamos orar a Deus que não seja utilizado politicamente como sinônimo de corrupção nas obras. Que os estádios não se tornem “elefantes brancos”, levando dinheiro público para o ralo, o que já está se prevendo.
            O que nos revolta é saber que os deputados fazem leis para eles, que elevam seus salários em mais de 60%, enquanto percebemos um verdadeiro descaso com a educação, com a saúde, com o meio ambiente e com a segurança. Falta transparência e a impunidade impera. Está havendo uma verdadeira inversão de valores.
            Assim, acreditamos que o esporte sempre melhora nossa auto estima.
     
Robson, +Ricardo Serpa, Ninha, Zuza, Geraldinho, Nabor, Fernando de Lélis, Zerli, João Carlos, José Maria Sampaio, Claudinei Paulino, Dr.Santos, +Haroldo Peres e Jorge”Elétrica”.
Adil, Cacalo,  Lió, +Tico do Bandaia, Josemar, +Leleis, +José Maria Antunes e Candinho.

Obrigado ao amigo Geraldinho por esta excelente entrevista.

Abraço a todos e até a próxima se Deus quiser!

sexta-feira, 19 de abril de 2013

JOÃO PEREIRA MACHADO, O GUARÁ.





O entrevistado de hoje é Guará. Foi amigo do meu saudoso Pai, Gabriel Nascimento e companheiro de equipe defendendo o Botafogo de São João Nepomuceno. Guará jogou no Operário, Mangueira e Botafogo. Destacou-se como jogador de defesa e, na oportunidade, contará um pouco de sua bela “história futebolística”.
1)    Nome completo e porque o apelido de Guará?
R:  João Pereira Machado. Apelido: Guará. Recebi este apelido porque tomava um refrigerante chamado guará.

2)    Casado e quantos filhos?
R:  Sou casado e tenho 5 filhos.
Ao lado de sua esposa Marlene Torres Machado


3)    Onde nasceu e quando?
 R: Nasci em Barbacena em 15 de agosto de 1933.

4)    Em que time começou a jogar e com que idade.
R:  Comecei no infantil do Operário com 14 anos. Depois subi para o juvenil e em seguida fui para o Mangueira.

 Tim, Gute, Guara, Tunico Ciscoto, Benicio Boi e Valter Albertoni. 
Agach. nao identifiquei, Joao Bosco Dr.Alpheu, Jose Carlos Campos e Arlindo


 5)    Qual partida ficou marcada pro resto da vida?
R: Foi quando eu jogava pelo Botafogo e enfrentamos o Mangueira. Eles se reforçaram com 8 jogadores titulares do Ribeiro Junqueira de Leopoldina-MG. Nós vencemos por 1x0 e eu marquei o gol de barriga.

 Com relação a este jogo que o Guará mencionou, estive conversando com o João”Ribita” e ele me disse o seguinte:

“A partida foi no campo do Mangueira( hoje parque de exposição) e a nossa derrota já estava decretada antes mesmo do jogo começar, pois, eles(Mangueira) contrataram 8 jogadores do poderoso Ribeiro Junqueira para este confronto e já davam como certa a vitória. De São João apenas o goleiro Gute,  Lelé “Mangueira” e o Garrinchinha(que não era de São João mas já jogava por aqui há muito tempo).

Nossa idéia era a seguinte: depois que eles fizessem o primeiro gol, nós arrumaríamos uma confusão e o jogo acabaria só no 1x0.
O Carradinha(Paschol) foi o escolhido para iniciar o tumulto. Sendo assim evitaríamos um grande vexame. Mas a história foi outra. Ainda no primeiro tempo, como era de costume, o Lalúcio cobrou uma falta com violência; a bola explodiu na trave e na volta o Guarazinho entrou, meio que de barriga, e fez 1x0.

Depois deste momento nós recuamos o time todo e começamos a intimidar os “caras” dizendo: se vocês começarem com “gracinha” nós vamos descer o cassete em vocês. Dito isso, eles começaram a “tirar o pé” e as coisas ficaram facilitadas para o Botafogo.
O Sapucaia, por exemplo, era um excelente jogador e estava de malas prontas para o Cruzeiro de Belo Horizonte. Portanto, não iria se arriscar. Eu mesmo estava marcando o Ronald (que já havia jogado no próprio Botafogo), que meio assustado me disse: “ na hora que a bola vier, eu pulo e você define a jogada.”
Não me lembro bem mas o Quirino jogou no gol do Botafogo; na defesa Guará, Paiva, Zé Acrísio e Eu; do meio para frente Lalúcio, “Bastião” Matos, Vanderlei, Carradinha...“

Também conversei com o Aécio"Batuta"Rodrigues e ele me disse o seguinte sobre esta partida:

"Eu era garoto ainda e não pude ir neste jogo. Naquela época, "meados" dos anos 50, os campeonatos eram organizados pela Liga Biquense
de Futebol, e na maioria das vezes o campeão era sempre um time de Bicas.
Então, para as equipes das cidades vizinhas que participavam dos
campeonatos, as emoções ficavam reservadas para os clássicos Municipais,
como por exemplo: Botafogo e Mangueira.
        Neste jogo em que o Guará fez o gol da vitória do Botafogo, o Mangueira
dava como certa a vitória, pois, trouxe nada menos que 8 jogadores
titulares da equipe do Ribeiro Junqueira de Leopoldina. O Ribeiro, na época, era uma das melhores equipes do
interior do Estado de Minas."
 Paulinho Onofre, Alfeu, Zé Heleno, Adauto Maia, Zé Acrisio, Lalúcio e Marialva.
Agachados: Floretinho, Emílio Vitói, Colero, Guará e J.Julio.

Guará: Outro fato marcante aconteceu na cidade de Guarani-MG. O Botafogo foi convidado para um jogo amistoso contra o Guarani. Na semana anterior ao nosso jogo, o Operário fora vencido pelo placar de 8x0. Pois bem... Nós chegamos lá e vencemos o todo poderoso Guarani por 2x0. Passamos o maior aperto, pois, a torcida do Guarani ficou revoltada com o resultado e não queria deixar a gente sair de lá de jeito nenhum.

6)    Antes das partidas, qual atacante lhe tirava o sono?
R:  Nenhum.

7)    Em qual posição jogava, e com qual companheiro você mais se identificou?
R:  Defesa. Paiva, Lalúcio e Coleiro.

8)    Chegou a jogar ao lado de Heleno de Freitas?
R:  Sim, em três oportunidades. A primeira no time do Mangueira, no campo do Mangueira. Depois, em dois jogos pelo Botafogo de São João. Um em Guarani contra o Guarani e outro em Rio Novo contra o 15 de Novembro. Vencemos as duas partidas pelo Botafogo. O Heleno não fez gol mas ainda estava jogando muito bem, dando belos passes para seus companheiros.


9)    Qual o melhor técnico.
R:  Joaquim Furtado.

10)    Qual o melhor dirigente.
R: Mauro Furtado, Joaquim Furtado, Heleno Medina e Dr. Geraldo Côrtes.

11)    Qual o melhor jogador de sua época?Pode ser mais de um.
R:  Paiva, Lalúcio, Coleiro e Quirino.

12)    Qual ou quais clubes jogou?
R:   Mangueira e Botafogo (mais no Botafogo).

13)    Quantos campeonatos disputou?
R:  Ganhei muitos no Botafogo.

14)    Comparar o futebol de hoje com o período em que jogou.
R: Hoje o futebol e jogado por dinheiro. No nosso período era por amor e amizade.

15)    Qual o melhor adversário que  enfrentou fora de São João?
R:   Foi o Leopoldina de Bicas e o 15 de Novembro de Rio Novo.

16)    Qual era o adversário mais difícil de jogar?
R:   O 15 de Novembro de Rio Novo. E o Sport de Bicas.
 Ivan, Ze Acrisio, Guara, Paiva, Alfeu e Caieira


Obrigado ao querido Guará que gentilmente respondeu nossas perguntas. Ao João Ribita e Aécio que deram detalhes daquele histórico Mangueira 0x1 Botafogo. Um agradecimento especial ao meu amigo/irmão Eduardo Ayupe, diretor-proprietário do Colégio Apoio, que manteve o contato com o Guará e, ainda, cedeu-nos as fotos que ilustram está modesta coluna.

Um forte abraço a todos e até a próxima se Deus quiser!










segunda-feira, 15 de abril de 2013

CAMPEONATO REGIONAL 2 0 1 3

Wagner Rodrigues, atualmente colaborando com a Liga Biquense de Futebol, informa os resultados da 5ª rodada do Campeonato Regional 2013.

Chave  A
Palmeiras de Pirapetinga  3 x 0  Rochedo

Chave  B
Vasco de Guarará  3 x 5 Senador Côrtes

Chave  C
São Joanense  7 x 0  ELL Tigres de Bicas

Chave  D
Pequeriense 1 x 1  Cruzeiro de Guarará

Próxima Rodada

Sábado 20 de abril
Senador Cortes  x  Roma de Mar de Espanha   15:00 em Senador
Grêmio Mar de Espanha  x   ELL Tigres Bicas   18:30 Mar de Espanha

Domingo 21 de abril
Rochedo  x  Kafofo Mar de Espanha     15:00 em Rochedo
Cruzeiro de Guarará  x  Santanense        15:00 em Guarará


Vem aí o Campeonato Regional de Juniores 2 0 1 3.

Abraço a todos e até a próxima se Deus quiser.

domingo, 14 de abril de 2013

Operário F.C. Rumo a classificação – Sub 17




O Verdão do bairro São José voltou a se apresentar muito bem e derrotou a boa equipe do Descoberto Minas Clube pelo placar de 3x1

Não temos todos os gols da partida, mas, no vídeo abaixo, você verá que o Operário teve total domínio da primeira etapa e abriu o placar logo aos 10 minutos. O artilheiro Ramon finalizou de pé direito após boa jogada pela direita, Operário 1x0. No lance seguinte, Torrada, que novamente fez uma ótima partida, finalizou de fora da área com a bola passando perigosamente a direita do goleiro Paulo César. Depois, Madruga batendo falta e Alex soltando a bomba para defesa do goleiro. Em outra jogada, o Descoberto bate escanteio e o atacante João Batista salva o Operário por duas vezes. Ainda no primeiro tempo, Canela centra da esquerda, Ramon sobe com o goleiro e, na sobra, Bruno marca. Mas o árbitro Leonor Santos marca falta do artilheiro Ramon sobre o goleiro Paulo César. Não temos o gol, mas Ramon nos acréscimos aumenta o placar para o Operário, fazendo 2x0.

Veio a segunda etapa e o Verdão continuou melhor e aos 15 minutos Tijão fez o gol mais bonito da competição até agora. Dominou a bola na intermediária adversária e depois de passar por 5 jogadores do Descoberto, tocou na saída do goleiro Paulo César. Um golaço que eu perdi. Operário 3x0. Continuando o vídeo, Canela bate falta que passa com perigo a esquerda do goleiro. O Descoberto que não estava “morto” começou a reagir. Em cobrança de falta, Douglas coloca a bola no ângulo. Chiquinho em ótima forma coloca para escanteio. Na cobrança do corner, Heitor sobe mais que os zagueiros do Operário e cabeceia a direita de Chiquinho. O gol de honra do Descoberto saiu após uma cobrança de falta. Mais uma vez Douglas levantou para a área, Marcos Felipe não dominou, mas Ian estava atento e colocou no canto esquerdo, sem chance para o goleiro Chiquinho. Final Operário 3x1 Descoberto.

O Operário jogou e venceu com Chiquinho no gol;  Tijão, Gustavo(Marcos), Alex e Canela; Edu(Tarcísio), Torrada, João Batista(Deivid) e Madruga; Bruno(Talisson) e Ramon. Téncico: Willian Lima.

Descoberto com Paulo César; Germano(Ian), Lucas, Diogo e Vanderson. Walef, Vinicius(Daniel), Douglas e Lucas Branco; Vinicius Santos e Heitor(Marcos Vinicius).
Técnico Bruno Eliziário.

Arbitragem de Leonor dos Santos auxiliado por José do Carmo e Advaldo da Silva.

José do Carmo, Leonor Santos e Advaldo da Silva

 Abraço a todos e até a próxima se Deus quiser.

domingo, 7 de abril de 2013

SUB 17- ROCHEDO e OPERÁRIO FICARAM NO 1 x 1

Igor, André, Matheus Cesário, Marcos, Caio e Matheus Peixe.
Agachados: Átila, Noel, Gustavo, Matheus Cavaco e Mossoró.

Pelo Sub 17 organizado pela Liga de Futebol de São João Nepomuceno, na manhã deste domingo(07), em Rochedo de Minas, o time da casa empatou com o Operário Futebol Clube pelo placar de 1x1.

O jogo foi pegado do início ao fim. O campo pesado tornou-se um perigo para os jovens atletas, que disputavam as jogadas como se fosse uma decisão. O árbitro Eleonor Santos teve muito trabalho para conter os ânimos dos atletas distribuindo diversos cartões amarelo para ambas as equipes.

Na primeira etapa, apesar do equilíbrio entre as duas equipes, o Rochedo finalizou mais. Na foto abaixo, Matheus Cesário, fora da foto, solta uma bomba de pé esquerdo de fora da área, indo a bola explodir na trave esquerda do gol defendido pelo bom goleiro Chiquinho do Operário.
Chiquinho voa mas não chega na bola que bate na trave. Clique na foto para ampliar

O Rochedo continuou pressionando. Desta vez o goleiro Chiquinho tirou, literalmente, com os olhos. Foto abaixo.
Clique na foto para ampliar.
Chiquinho defende com segurança

Pela sequência de fotos, deu para perceber que o Operário foi muito pressionado na primeira etapa. Mas, o primeiro tempo terminou como começou, zero a zero.

Veio a segunda etapa e o panorama não mudou. O Rochedo que vinha de duas vitórias em duas rodadas, queria o resultado positivo a qualquer custo, pois, jogava em casa. Já o Verdão (que venceu seu último jogo mas perdeu na primeira rodada para o Descoberto)  precisava da vitória para ficar mais folgado na tabela de classificação.

Aos 15 minutos, quando o Rochedo exercia forte pressão pra cima do Operário, Ramon recebeu belo passe do ótimo meia Torrada e, na saída do goleiro, tocou para abrir o marcador(foto abaixo).
Ramon, fora da foto, abre o placar para o Operário. Clique na foto para ampliar.
O Rochedo manteve a calma e continou atacando o adversário, mesmo porque jogava em casa. O Operário tentava ampliar nos contra ataques. Mas, aos29 minutos, o ótimo atacante Átila penetra pelo lado esquerdo de defesa do Operário e solto um chute cruzado. A bola cobre o goleiro Chiquinho que na pode fazer. Estava decretado o empate.
Átila, fora da foto, empata o jogo. Torrada(10) lamenta enquanto Chiquinho, Ítalo(5) e André não acreditam no que veem.
E a partida terminou assim: Rochedo 1x1 Operário

Com boa atuação de Leonor Santos auxiliado por Haroldo Souza e Geraldo de Roma, o Rochedo jogou e empatou com André no gol; Matheus"peixe", Marcos, Noel e Caio; Igor(Gustavo), Matheus Cesário, Mossró e Gustavinho(Douglas); Matheus"Cavaco" e Átila. Comissão Técnica: Zezé Constantino e Ícaro Danelon.
Destaques do Rochedo: Matheus"peixe" (esteve firme na marcação e no apoio ao ataque), Noel (muito bom jogador); Gustavinho (enquanto esteve em campo ajudo na articulação das jogadas); Mossoró (também muito bom); Matheus "Cavaco" (fez um ótimo primeiro tempo) e Átila (jogador de muita personalidade. Marcou o gol do Rochedo e mostrou muita qualidade técnica, Craque).

O Verdão jogou com Chiquinho; Marcos(Gustavo), Canela, André e Ítalo; Edu(Tarcísio), Torrada e Madruga; Ramon e João(David). Técnico: Willian Lima.
Destaques do Operário: Chiquinho (fez um bom jogo), Gustavo (entrou no lugar do lateral Marcos e teve boa atuação, dando segurança a sua defensiva), Canela e André (muito seguros na marcação), Ítalo (fez bom jogo), Torrada ( o melhor do Operário nesta partida. Ajudou na marcação e articulou as jogadas de ataque) e Ramon ( se movimentou bastante e marcou mais um gol).
Geraldo de Roma, Leonor Santos e Haroldo Souza.
Parabéns as duas equipes pelo belo jogo apresentado. Se não tão belo pelos poucos gols e jogadas de ataque, mas sim pelo empenho mostrado por ambas as equipes. Destaque para o bom público que compareceu ao estádio(foto).

Abraço a todos e até a próxima se Deus quiser!